Desarmamento Nuclear: Aprendendo com Exemplos de Resolução de Conflitos na História. | Guilherme Tavares | Negociação, Vendas e Mediação | Uberlândia
Desarmamento Nuclear: Aprendendo com Exemplos de Resolução de Conflitos na História.

Desarmamento Nuclear: Aprendendo com Exemplos de Resolução de Conflitos na História.

Compartilhe esse post!

Exemplos de resolução de conflitos na história podem fornecer lições para aqueles que enfrentam disputas difíceis. Analisaremos o que pode ser aprendido com os esforços de desarmamento nuclear pós-Guerra Fria.

Quais lições podemos aprender com os exemplos de resoluções de conflitos na história? O mundo da não-proliferação nuclear pode ser um lugar valioso para começar, já que poucas negociações ao longo da história tiveram maiores desafios. Conduzidas em meio a conflitos internacionais e por um público especializado, complicadas por barreiras linguísticas e culturais, e realizadas sob curtos prazos, as conversações que visam garantir que os procedimentos de desarmamento sejam seguidos de perto exigem o mais alto nível de capacidade de negociação e habilidades diplomáticas.

A morte do ex-senador republicano Richard G. Lugar, de Indiana, aos 87 anos, em 28 de abril de 2019, nos lembra do valor de enfrentar esses desafios. Lugar, que presidiu o Comitê de Relações Exteriores do Senado, fez de sua maior marca como coautor, junto com o senador democrata Sam Nunn, da Geórgia, o Programa Cooperativo Nunn-Lugar de Redução de Ameaças, que consistiu em um plano inovador o qual forneceu recursos para a destruição de obsoletos mísseis nucleares e materiais em países da antiga União Soviética, os quais não podiam se dar ao luxo de se desarmarem por conta própria.

Nos primeiros 20 anos do programa, ele desativou mais de 7.500 ogivas nucleares estratégicas e destruiu mais de 1.400 mísseis balísticos lançados por terra e submarinos, segundo O Boletim dos Cientistas Atômicos. Mais recentemente, no entanto, o presidente russo Vladimir Putin começou a buscar a modernização nuclear, e Lugar lamentou que o presidente Barack Obama não tenha sido mais agressivo em desmantelar partes do arsenal nuclear americano, segundo o jornal The New York Times.

Quais estratégias de solução de conflitos podem ser absorvidas pelos esforços mais recentes de desarmamento nuclear? Discursando no Programa de Negociação (PON) da Harvard Law School em 2015, Laura Rockwood, ex-pesquisadora sênior do Projeto de Gestão do Átomo do Centro Belfer para Ciência e Assuntos Internacionais de Harvard e agora diretora executiva do Centro de Viena para Desarmamento e Não Proliferação, ofereceu conselhos de seus 28 anos de negociação e implementação de salvaguardas para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), uma organização intergovernamental independente que promove usos seguros da energia nuclear e garante o cumprimento das obrigações sobre o uso de material nuclear.

Ouvindo para aprender

A partir de 1996, Rockwood liderou dois anos de negociações trilaterais entre os Estados Unidos, a Rússia e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) com relação à remoção permanente de material físsil dos programas de armas dos ex-inimigos. Durante as palestras, Rockwood testemunhou uma técnica de negociação que ela descobriu ser altamente produtiva:

O negociador russo transmitiu as opiniões de seu governo. O negociador dos EUA diria: “Deixe-me ver se entendi o que você está me dizendo”. Ele, então, sintetizava a posição do governo russo – de forma honesta e justa, sem colori-lo com a posição dos EUA. Quando o negociador russo concordou com esse entendimento, o negociador dos EUA diria: “Ok, então. Deixe-me explicar por que meu governo tem dificuldade com essa posição.”

Esse tipo de processo de escuta ativa mostra à outra parte que você está se esforçando para entendê-la, concentrando-se nos problemas, de acordo com Rockwood. Como a escuta ativa aumenta a compreensão, pode ser particularmente eficaz quando se negocia com intérpretes ou quando uma das partes está negociando em um idioma estrangeiro, disse ela.

Durante muitas das negociações bilaterais e multilaterais que Rockwood liderou com os estados-membros da AIEA, muitos governos foram inicialmente “francamente céticos” em relação às propostas da organização. Por “ouvir verdadeiramente as suas preocupações”, Rockwood e sua equipe foram capazes de ganhar sua confiança e aprender informações importantes.

Amenizando Conflitos

Há muito que podemos aprender com exemplos de resoluções de conflitos na história. Aqui estão outras três estratégias para evitar mal-entendidos culturais que Rockwood ofereceu, e essas podem ser aplicadas além dos exemplos de resolução de conflitos internacionais para contratar a resolução de disputas e outras esferas:

Tente ambiguidade construtiva.

A ambiguidade construtiva envolve a substituição deliberada de palavras e termos carregados por uma linguagem mais benigna. Ao defender uma posição legal rígida, pode-se gerar consequências autodestrutivas, disse Rockwood. “Identifique seu objetivo real e considere reformular sua posição, ou encontre outras formas de alcançar esse objetivo.”

Escolha os negociadores com cuidado.

“Nunca subestime a importância dos indivíduos” que podem “estabelecer um tom de confiança e empatia sem admitir pontos de negociação”, em oposição àqueles “que podem fazer um acordo até mesmo nas negociações mais simples e impossíveis.”

Mantenha as negociações confidenciais o mais privado possível.

Enquanto os Estados Unidos e o Irã tentavam infrutiferamente negociar um acordo sobre o programa nuclear do Irã em 2005, um dos negociadores iranianos disse a Rockwood: “Ah, Laura, tornamos muito mais difícil negociar qualquer um de nossos programas de enriquecimento: tornamos isso uma questão de orgulho nacional.” Tempere essas sensibilidades mantendo as conversas privadas.

Quais exemplos de resolução de conflitos na história você considera úteis para negociação?

Quer negociar melhor, influenciar e agregar valor ao seu produto no Agro? Baixe agora o Ebook gratuito: 4 Formas de Influenciar no Agronegócio | Como aplicar a Metodologia Harvard e a Neurociência em suas negociações

Por Equipe Guilherme Tavares, traduzido e adaptado de:

Author (Autor): KATIE SHONK

Article title (Título do Artigo): “Conflict Resolution Examples in History: Learning from Nuclear Disarmament”

Website title (Site): PON – Program on Negotiation at Harvard Law School

https://www.pon.harvard.edu/daily/conflict-resolution/conflict-resolution-examples-in-history-learning-from-nuclear-disarmament/?utm_source=WhatCountsEmail&utm_medium=daily&utm_date=2019-05-27-13-30-00&mqsc=E4057470

Publication date: May 27th, 2019

Compartilhe esse post!

Deixe uma resposta

shares
pt_BRPortuguese
en_USEnglish pt_BRPortuguese